sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Antecipação

Se um dia deixarmos de partilhar
os mesmos espaços
os mesmos passos

Se um dia as marés da vida
me arrastarem para longe
e eu for parar a uma costa distante
onde o teu nome não seja ouvido

Se um dia os meus dias não forem
prenhes de momentos
onde te veja
e a já pobre e minúscula
possibilidade
de alguma vez me veres
sob uma outra luz, despida
de máscaras
e eu ser-te mais do que hoje sou
se desfizer em pó

(estes Ses que me esmagam e que podem
não estar tão distantes no tempo
como julgarias)

Se um dia todos os meus dias
forem desertos de ti,
contar-te-ei, por fim,
a verdade

Acenderei para ti
o luar
e sob o brilho prateado
poderás ver
como cada palavra
cada sílaba, cada ponto
que bordo nesta tapeçaria
pulsa o teu nome.

Sem comentários: