quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Noite

Cabes inteiro no meu coração
e os meus braços guardam o espaço
vazio
onde deverias estar
dormindo
aqui, rente ao peito.

Na madrugada embalo o sonho
de um nós que
não pode existir
e com os olhos ainda molhados
adormeço à sombra
de estrelas longínquas.


Sem comentários: