quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Life is a game

Sempre gostei imenso de jogar Tetris.

Embora possamos antever a próxima peça não a podemos escolher e temos que a posicionar da melhor forma em relação ao que já lá está, libertando o écran de complicações (a.k.a. peças mal encaixadas).

No início as peças demoram imenso a surgir* e despachamo-las com rapidez, clicando nas teclas que as façam descer mais depressa. Depois é que são elas. Surgem cada vez mais depressa e torna-se difícil antever a seguinte, encaixamo-las conforme dá e depois passamos as jogadas seguintes a limpar a borrada que fizemos. A velocidade aumenta vertiginosamente e a páginas tantas deixamos de ser capazes de corrigir as bodegas ou colocar o raio das peças no sítio devido. E estoiramos.



Parece mesmo a vida real, não parece?

* ai, adolescência, adolescência ...

2 comentários:

Sayuri disse...

Nunca tinha pensado na vida sob essa perspectiva que, deixa-me dizer-te, é bastante interessante! :)

Vitor disse...

Então,e tu achas que eu ainda tenho idade e neurónios para essas coisas? ;-)))

Bj*