quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Azul frio

Amar, amor, amar-te
sob todos os céus
sob todas as estrelas do Universo
é a minha realidade constante.



Céu.
Imenso, intenso, onde perdemos o olhar, imersos nas possibilidades e nos sonhos. Mergulhamos no céu como nos olhos do ser amado, igualmente esquecidos do que nos rodeia, desejando para sempre estar perdidos assim.

És o meu céu.
E igualmente inatingível.

1 comentário:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

"Mergulhamos no céu como nos olhos do ser amado, igualmente esquecidos do que nos rodeia"


Verdade, sim. Penso que por vezes incoscientemente.

Um beijo amigo